A bronquite é uma das doenças de inverno mais frequentes, fazendo que as pessoas corram aos consultórios de seus médicos. O Dr. Popowski, pediatra, examina os sintomas, tratamentos eficazes e, especialmente, formas de prevenir essa inflamação dos tubos brônquicos.

riança tosse bronquite boironmask

Não confunda a bronquite com a bronquiolite

 

Uma breve explicação anatômica é fundamental para distinguir a bronquite da bronquiolite. “A bronquiolite é uma inflamação dos bronquíolos. Ela afeta principalmente crianças com menos de 2 anos de idade, enquanto a bronquite ataca os tubos brônquicos de crianças mais velhas, adolescentes e adultos”.

Obviamente, os sintomas são diferentes. “Uma criança com bronquiolite apresenta chiado e pode apresentar sinais de dificuldade respiratória". É por isso que há sessões de fisioterapia respiratória, as quais são difíceis para os pais, mas ajudam os bebês, que são incapazes de tossir ou cuspir.

"No entanto, a bronquite apresenta-se como uma tosse seca ou úmida, com ou sem muco e, às vezes, como febre".

Bronquite: vírus ou bactéria?

O tratamento dessa doença depende de sua origem, se é viral ou bacteriana, e se o paciente apresenta ou não febre. "O médico pode pedir exames adicionais, tais como o hemograma completo (HMG) ou raio-X do tórax. Se o exame de sangue indicar uma percentagem alta de glóbulos brancos ou se o exame ou raio-X revelar crepitações nos pulmões, então a bronquite é de origem bacteriana e vai exigir tratamento com antibióticos. No entanto, se a criança não apresentar nenhum destes sintomas, é possível presumir que a fonte é viral", explica o Dr. Popowski. 

 

Sintomas de bronquite

 

Bronquite é sinônimo de tosse. “Esse é o principal sintoma. A verdadeira bronquite ataca os brônquios, por isso a tosse provém da parte inferior do peito, ao contrário da tosse causada pela nasofaringite". Mas não é só isso que a bronquite implica. Dependendo da criança, o médico pode detectar outros sintomas: corrimento nasal, febre, muco e vômitos. Alguns até apresentam dificuldade respiratória, como a falta de ar ou chiado, que são detectados durante o exame.

O que é bronquite recorrente?

 

Os médicos consideram que a bronquite é recorrente se a criança tiver mais de quatro episódios de bronquite por ano. “Para descobrir de onde vem a bronquite, o seu clínico geral deve determinar se ela é viral ou bacteriana”. Se a bronquite se tornar crônica, o seu médico pode solicitar exames “para descartar a possibilidade de outras doenças, como as alergias respiratórias”.

 

A prevenção é possível

 

Em seu livro, o Dr. Popowski descreve hábitos a serem adotados para evitar a bronquite recorrente. Os pais devem começar dando aos seus filhos um suplemento de ferro ou vitamina D. “Você também deve inspecionar o ambiente da criança, pois se for coqueluche, a causa pode ser alergias.  Nesse caso, é melhor remover o carpete e colocar os ursinhos de pelúcia da criança no congelador para se livrar dos ácaros do pó”. Mesmo que o seu filho esteja doente, certifique-se que a temperatura do quarto dele é de cerca de 18 graus e areje a casa e o quarto da criança para se certificar de que ele não está respirando ar viciado. “Como medida preventiva, o médico ou o farmacêutico também pode recomendar um tratamento homeopático de longo prazo, que é personalizado para cada criança”.

Bronquite Viral: como os medicamentos homeopáticos podem ajudar?

 

Para tratar os sintomas corretamente, é importante que os pais observem seus filhos com atenção. Isso irá ajudá-lo a dar ao médico a informação que ele necessitará para prescrever o tratamento correto. A tosse não é grave. É um fenômeno natural, embora complexo. “Há um grande número de medicamentos homeopáticos que podem tratar uma vasta gama de tosses”: tosse seca, tosse produtiva, tosse associada à asma, tosse assim que a criança põe a cabeça no travesseiro... a lista continua.

A vantagem desse tratamento é que os medicamentos podem ser personalizados, de acordo com os sintomas de cada pequeno paciente”. E independente de qual tratamento for prescrito, existe uma regra de ouro a seguir para garantir que ele será eficaz: quanto mais forte o sintoma, com mais frequência o tratamento deverá ser administrado. “Por exemplo, se a criança tem uma febre alta e uma tosse forte, recomendo tomar três glóbulos a cada 15 minutos. À medida que o estado da criança melhora, as doses podem ser mais espaçadas”. Se for um caso de bronquite viral, o pediatra acredita que esse pode ser tratado com homeopatia. “No caso de bronquite bacteriana, eu tentaria a homeopatia por 24 ou 48 horas. Se perdurar mais que isso, eu mudaria para antibióticos. 

Mas e a febre? “A febre, em si, não pode ser tratada, mas você pode ajudar a controlar a baixa tolerância à febre. Se a criança apresenta uma febre de 38,5 graus, mas está exausta e tremendo, ela pode tomar medicamentos homeopáticos e/ou paracetamol. Monitore os sintomas e mantenha a criança hidratada. O Dr. Popowski explica: “Ao tratar uma criança doente, é importante que ela beba água regularmente. É bom para febre, tosse e muco”. Informe ao médico pediatra e acompanhe com ele o melhor tratamento.

 

doenças cotidianas

Compartilhe :

Facebook
Linkedin
test@tes.fr

LEIA TAMBÉM