Todos os pais já se sentiram impotentes algumas vezes, quando confrontados com o medo incapacitante de seus filhos, só de imaginar que terão de recitar um poema na sala de aula ou fazer uma prova importante.

 

Qual é o chamado “medo do palco” que promove nessa situação, o medo de falar em público? Como você pode ajudar seu filho?

 

Decifre o código com o Dr. Raynaud, psiquiatra.

Como saber se uma criança tem "medo do palco"? 

 

A criança achará que as outras pessoas a encaram. Ela sentirá um nó na garganta e frio na barriga, irá tremer e seu coração baterá mais rápido. O rosto dela ficará vermelho, suas pernas ficarão muito moles e ela pode sentir uma vontade irresistível de ir ao banheiro. Em suma, todo o seu corpo sofrerá os efeitos de um aumento rápido dos níveis de estresse, que muitas vezes são difíceis de controlar. Para evitar dificuldades cotidianas, a criança irá, portanto, colocar em prática estratégias que a impedirão de fazer o que deseja. Em outras palavras, o medo de correr riscos, o medo da exposição e o sentimento de vergonha são tão intensos que, com o passar do tempo, agir se tornará difícil. No entanto, é importante não confundir este tipo de estresse com a ansiedade crônica. O “medo do palco” é uma reação natural do corpo que torna possível, para todos, adaptar-se a um evento estressante. Quando esse estado se torna permanente, a ansiedade, então, se torna generalizada.

enfant trac quotidien Boironmask

Os pais podem ajudar as crianças a transformar o “medo do palco” em uma reação construtiva? 

 

Os pais certamente podem confortá-los, tranquilizá-los para lhes dar autoconfiança e ajudá-los a perceber que podem fazê-lo. Mas se seu filho apresenta sintomas físicos ou o “medo do palco” se torna incapacitante, ele precisará ser examinado por um médico ou outro profissional de saúde, que poderão ajudá-lo a lidar com doenças psicológicas incapacitantes, a exemplo da perda de voz e da gagueira.

A homeopatia pode ajudar as crianças a superar o “medo do palco”?

 

É importante estar ciente que, até a idade de aproximadamente 4 anos, as crianças não têm um cérebro maduro o suficiente para analisar e controlar suas emoções. Além da orientação dos pais, a homeopatia fornece soluções que são adaptadas ao temperamento da criança e ao cérebro em desenvolvimento. Ela pode acalmá-los quando as suas emoções transbordam e o ritmo cardíaco acelera, ajuda com os seus padrões de sono irregulares e afrouxa o nó no estômago que os impede de comer. Profissionais de saúde gostam desse tratamento, porque ele tem a vantagem de não ter efeitos colaterais e pode ser administrado a crianças muito pequenas.

Tratamento homeopático adaptado aos sintomas

 

Tudo dependerá de como o “medo do palco” se manifesta. Eu prescreveria a medicação homeopática mais adequada de acordo com os sintomas, o que irá variar de acordo com a criança, dependendo se ela:

  • apresenta hipersensibilidade emocional e se isola para evitar situações difíceis
  • mantém-se tão ocupada que age impulsivamente; ou o seu medo do futuro causa insônia ou diarreia.
  • tem dificuldade em se expressar e apresenta alterações de humor e espasmos (tosse ou tiques)
  • e finalmente, reprime sua frustração por um determinado tempo antes de surtar com uma raiva desproporcional e violenta.

Seja como for, o tratamento homeopático deve ser contínuo até que os sintomas melhorem. A homeopatia tem a vantagem de ser prática, uma vez que os que tubos e doses podem ser utilizado e tomados em todos os lugares e é fácil de administrar, pois as crianças geralmente os aceitam.

 

Quais exercícios você pode sugerir para as crianças aprenderem a lidar com o “medo do palco”?

 

As virtudes da meditação e do yoga são agora reconhecidas. Além disso, existem alguns livros que podem ser úteis: Sentado quieto como um sapo1 e O monstro colorido2, da editora Quatre Fleuves, são dois livros que ajudarão os pais e as crianças a entender como as emoções funcionam. 

1 Snel, E., Sitting Still Like a Frog, Les Arènes (2012)

2 Antilogus, A., The Colour Monster, Quatre Fleuves Eds (2014)

filho
doenças cotidianas

Compartilhe :

Facebook
Linkedin
test@tes.fr